dna lightsAs declarações de James Watson sobre a superioridade intelectual dos brancos, em comparação aos negros, geraram reações em cascata na sociedade, todos repudiando-as. Mas até que ponto a crítica foi feita pela pura crítica e até onde os argumentos de Watson foram eficazes?

Eis o que vou tentar discutir aqui. Sob uma ótica científica, vejamos os principais argumentos prós e contras, sem concepções pré-definidas, por favor. E peço o perdão caso fale algo que se comprove falso, não sou cientista para poder endossar opiniões tão categóricas.

A FAVOR: “Não há uma razão firme para imaginar que as capacidades intelectuais de pessoas separadas geograficamente em sua evolução devem ter evoluído de forma idêntica. Nosso desejo de dar capacidades racionais iguais como uma forma de herança universal da humanidade não é o suficiente para fazer com que seja verdade.” Esse é o melhor argumento de Watson, apesar de ser apenas circunstancial.

CONTRA: É natural que dentro de uma espécie haja grande diversidade quanto a todos os aspectos, ainda mais os seres humanos que, ao longo da evolução, se dispersaram para virtualmente todos os ambientes do planeta. Portanto, encontrar pessoas mais inteligentes ou com dislexia ou discalculia. Porém afirmar que os brancos são mais inteligentes que negros baseando-se apenas na diversidade genética é um insulto ao método científico.

A FAVOR: a genética tem sim papel importante na formação e desenvolvimento dos seres vivos, apesar de Watson querer considerá-la como onipotente e onipresente. Hélio Schwartsman escreveu o seguinte em sua coluna na Folha Online: “É engraçado como estamos dispostos a aceitar diferenças entre pessoas (fulano é mais inteligente do que ciclano), mas não entre grupos étnicos. (…) Não fazemos objeção a um juízo do tipo: negros são em média mais altos do que japoneses, mas basta alguém sugerir que os asiáticos tenham uma inteligência média (definida por testes de QI) superior à do grupo de ascendência africana para desencadear uma revolução. O mesmo vale para as aptidões femininas para a matemática ou a predisposição masculina para a infidelidade conjugal.”

CONTRA: Watson rebaixa-se a generalização e assume preconceitos latentes. Em certo momento ele diz que quer acreditar que todos são iguais, mas as pessoas que tem empregados negros sabem que isso não é verdade.

dna stairsRESUMINDO, James Watson foi realmente muito infeliz em suas declarações ao Sunday Time, no dia 17 de outubro. Ele já é conhecido por suas declarações espalhafatosas; o pesquisador Alysson Muotri o chamou de “Britney Spears da ciência: polêmico, amado e odiado”.

Entretanto, Watson recuperou algum crédito em seu pedido de desculpas. Disse que são falsas as declarações de que há superioridade intelectual branca, mas reclamou que genética do comportamento recebe críticas a torto e a direito, sem fundamentação, apenas porque seria imoral. Quanto a isso, Hélio Schwartsman propôs que a questão da igualdade entre os seres humanos é moral, e não científica.

“O argumento contra o racismo, o sexismo e outras chagas que desde sempre atormentam a humanidade deve ser moral. De outra forma, se um dia inventarem um teste confiável para medir a inteligência e ele mostrar discrepâncias entre grupos, o que acontece? O racismo estará legitimado?”